31.7.08

Espanha, eu gosto.

Espanha

Já que estou a sair de Espanha aproveito para registrar algo mais. Mas desconfio que muita coisa só se tornará clara daqui a algum tempo...

Aqui nas Astúrias havia um escritor que dizia: “A mulher é a queixa pertétua”. Pois se assim é, então a sociedade espanhola é feminina. Não feminista, feminina. Os espanhóis queixam-se, muito. Muiuiito. Não é defeito, é feitio. Os portugueses, e em geral os humanos (principalmente os ocidentais), queixam-se. Mas os espanhóis são mais assumidos, expressivos, exuberantes, mais dramáticos, mais histéricos. E portanto o que são vê-se mais. Até o que são às escondidas...

Quando cheguei há 3 anos a Espanha estava na melhor situação econômica do século. Talvez dos últimos séculos. Satisfeitos? Não. Se ouvissemos a maioria, estava tudo mal, desde o Governo claro, ao marido e mulher, amante se filhos, patrões, empregados, etc. Se não havia crise (e não havia) queixavam-se da que estava a acabar e da que vinha aí. Agora que a crise ameaça vir todos dizem: “vez, eu não dizia? Está tudo em crise...”. Mas a verdade é que ainda não há uma crise real. Só há uma crise de susto. As pessoas esperam a crise e por isso consomem (um pouco) menos, e por isso há crise...

São queixosos e insatisfeitos. Como todos nós. Só que aqui isso vê-se mais.

Mas os espanhóis não são infelizes. Nem felizes. Afinal, o que raios é a felicidade? Eles são o que são, como todos nós. E cada um saberá se gosta ou não. Eu gosto.

A Espanha desportiva

Neste momento a Espanha atravessa um periodo de ouro desportivo. É uma das maiores potencias desportivas do mundo. Das cinco maiores. Estão no céu desportivo.

São campeões da Europa de futebol.

Rafa Nadal ganhou Wimbledon na melhor final da década, contra um dos melhores de sempre. Antes já tinha ganhando Rollan Garros. Aspira a ser numero um do mundo. Os espanhóis são eternos candidatos a Taça Davis...

Fernando Alonso duplo campeão do mundo. E há mais dois pilotos espanhóis metidos no mundo da Formula 1. E há engenheiros também...

Nas motos têm varios entre os primeiros, e em todas as categorias.

Os dois últimos vencedores do Tour de França são espanhóis. E ganharam também o Giro.

São campeões do mundo de basquete, e vice da Europa. Têm vários jogadores na NBA em destaque.

São bons no Golf...

Enfim, estão no topo em muitos desportos. E se os jogos olímpicos de Barcelona deram inicio a muita coisa neste processo, a verdade é que há coisas que não se explicam. Creio que os espanhóis simplesmente gostam de desporto. São muitos, tem bons e bastantes equipamentso, e são egocentricos, exibicionistas, querem reconhecimento. E estão a tê-lo.

Vejamos agora nos J.O.

Politica a la espanhola

Vejo uma diferença básica na politica espanhola relativa a portuguesa, chama-se estabilidade.

Dizer que em Portugal houve revolução e em Espanha transição é eufemismo, mas é desde aí que vem uma certa estabilidade. É do sistema constitucional e politico instalado então. Nesse periodo até ressuscitaram a monarquia porque a guerra civil dos anos 30 ainda está presente e o horrror a outra confrontação traz vontades de acordos básicos. E creio que é aí que se cria um modelo mais estavel de politica. Não pela monarquia que aquí ainda é menos immportante que o P.R. Em Portugal, mas pela idea que é (desesperadamente) preciso evitar confrontações de maior. Confrontações que têm a ver com o seu carácter, com os seus regionalismos, com a sua história e seus genes.

O certo é que houve menos governos, e mais prolongados, e mais fortes e estáveis. Primeiro do PSOE-Felipe G., depois do PP-Aznar, e agora do PSOE ZP, que também já vai no segundo mandato. Mas o que acho que é mais marcante nesta estabilidade nem são os governos. São as oposições.

O Aznar chegou ao poder com o PP depois de ter concorrido e perdido uma vez antes. Manteve-se 7 anos como lider da oposição até que venceu. E ficou lá dois mandatos. Deixou passo a M. Rajoy, da sua linha politica, e com boas prespectivas de continuar Governo PP. E agora o Rajoy já perdeu duas eleições e segue a frente do PP! Perdeu as primeiras em situação dramática e nao assimilada, que o colocou nas maos da direita conservadora (Opus Dei e coisas que tais) e o levou a 4 anos de oposição quase totalmente baseada no combate ao governo na sua politica autonomico-regionalista e sobretudo no combate à politica anti-terrorista do governo, que tentou alcançar apaz. Não deu bom resultado. Perdeu as segundas eleições. Houve alguma contestação interna à sua liderança. Mas ele manteve-se fiirme e continua a liderar. Afastou-se (e afastou) os sectores mais à direita e voltou-se para o centro. Em apenas 3 meses mudou completamente as principais figuras de proa do partido e a linha de oposição politica. Pactuou como PSOE sobre a linha de combate ao terrorismo basco e prepara-se para combater o governo em matéria economica, que afinal é o que mais interessa aos espanhóis e que neste momento traz bons ventos...para a oposição.

Em Portugal os lideres politicos da oposição (diga-se PSD) não resistem nem meio mandato. Quantos lideres teve o PSD desde que o Cavaco saiu? Eu lembro-me de pelo menos sete! O que ganhou as eleições (após desistência do Guterres (!) a meio do segundo mandato com maioria relativa) pirou-se, abandonou o barco com apenas um ano de trabalho em favor de protagonismos internacionais. !!! Isto não é apenas causa. Também é efeito. É sintomático.


Expressões popular muito usadas:

Me cago: en la madre, en la puta, en la virgen, en la leche, en Dios...

A puta está entre as outras coisas sagradas em que eles se cagam frequentemente...

O "inglês" dos espanhóis. Extractos dos piores falantes de ingês do mundo...

Lady = leidy (esta está no dicionário)
Ir ao WC = ir al vater, (de water [dizem vater])
Spiderman = espidérman
Filmes do Clark Gable = filmes do cargáble
Miguel - Mike = Maik mundo...







3 comments:

Mario Bernardes said...

Y viva España!

Excelente post, apenas alguns comentários:
- Quando dizes que os Espanhóis se queixam, bom, continuo a achar que ninguém bate os tugas nisso. Ainda assim, o espanhol queixa-se muito, mas é uma maneira de ser, de expressão, de exuberância, como também referes. Mas no fundo há uma grande diferença, o espanhol fala, mas tem um grande orgulho no seu país e um enorme nacionalismo. Acreditam no seu potencial e investem muito no seu crescimento. Em Portugal temos o oposto, queixas e mais queixas, mas com um pessimismo medonho e uma falta de atitude e iniciativa gritantes.
- Em relação ao desporto, sim, é excelente a prestação dos desportistas espanhóis actualmente. Concordo com o que dizes, de serem egocentricos, exibicionistas e de quererem reconhecimento. Houve também muito investimento em infra-estruturas que ajudou. O desportista tuga, tb quer isso tudo e em especial reconhecimento. Mas no fundo não está muito disposto a grandes sacrifícios... Basta ver o grande número de desportistas jovens com futuros promissores que temos, e que de repente se deixam caír pela fama.
- Na política, apenas uma diferença, a formação e cultura política é diferente. Em Espanha estão mais avançados nesse aspecto. Com a evolução, esperamos que Portugal consiga atingir essa maturidade. Deixai passar esta geração de presunçosos...

Mas conta, estás de saída temporáriamente ou definitivamente?

António Matos said...

Oi Mario,

Estou de saída...não sei. Por agora não vou viver me Espanha. Mas nada é definitivo. Foram 3 anos muito bons. Não ponho fora a ideia de viver outra vez no estrangeiro.

E tU?

Grande abraço para ti e familia.

MB said...

Estou quase de partida da India... 3 meses também muito bons!
Agora, umas férias em Portugal, depois, ainda não sei... Talvez México...

Um abraço!