17.5.06

War!

War!

Várias vezes penso em coisas negativas…Umas muito recorrente tem a ver com a crónica anterior, das fragilidades e efemeridade.

Para mim nós vivemos no paraíso. Um paraíso que não é fácil. Um paraíso feito de luta e esforço constante. Mas ainda assim num paraíso. Feito de muitas oportunidades e possibilidades fantásticas. Feito de muito prazer e satisfação. Uma sensação quase “mística”, como se a vida fosse uma dávida mágica que nos é dada. Um paraíso que eu tantas vezes desprezo e sobretudo desaproveito.

E talvez seja pela sensação que não estou a retirar da vida tudo o que poderia, e não estou a construir tudo o que gostaria, que me frustra saber que tudo é tão efémero. E que não há segunda chance. Não há Ctrl Z!

O que está feito não pode ser desfeito, e o que não foi feito já não se pode fazer.

E os ses… os ses muitos verosímeis.

A mim assaltam-me alguns tais como:

E se entrar-mos em guerra? Daquelas que houve há pouco mais de 50 anos. Ou outra mais pequena mas tão presente e perigosa como as grandes. Como reagiria? Seria o fim disto que eu chamo paraíso ou um estado das coisas onde eu até me adaptaria melhor e usufruiria mais?

E se não chegar a tanto, mas o sistema económico desabar? Desabou na Rússia…De um dia para o outro pessoas com um grau de educação altíssimo viram o seu mundo ruir e tiveram de emigrar para limpar as nossas casas, servir de putas nos bordeis e levantar tijolo para broncos e preguiçosos!

E se realmente os chinocas e os indianos passarem a dominar o mundo, compo se prevê, acabando definitivamente com o nosso já longo reinado, e nos tratarem como nós os tratamos a eles. Ou previsivelmente pior!

E se um alucinado qualquer resolve fazer tudo explodir num caos atómico para incendiar o que para ele é um inferno, ou simplesmente porque lhe apetece!

E se um virus qualquer resover evoluir ás nossas custas, dizimando-nos sem que nós sequer percebemos...

Ás vezes damos por seguro, “adquirido”, algumas coisas boas, tais como 3 refeições diárias (excessivas) democracia parlamentar, sistema económico cheio de vitalidade, desemprego baixo, segurança nas ruas, segurança social…

Temos isso tão seguro e adquirido que até achamos pouco. E maldizemos. Dizemos mal dos políticos, sonhamos com sistemas idílicos, etc.

Sei lá…

Para alguns o caos, a guerra, e coisas que tais funcionam bem. São a sua oportunidade.

Acho que prefiro não saber.
(Só o facto de gastar tempo a pensar isto já me enerva!)

6 comments:

Pedro Miguel de Moura said...

o mundo é perfeito porque não existe! lolol

Luis said...

Percebo o teu ponto de vista...mas nada esta garantido...

ainda hoje pensava nisso..tenho 30 anos..e tive a sorte de ter nascido no ocidente(num pais do fundo da escala do primeiro mundo..mas ainda dentro dele)..

com 30 anos ja vivi mais tempo que a esmagadora maioria dos ser vivos que habitaram alguma vez o planeta terra..e inclusive de incontaveis milhoes de vidas humanas anteriores a mim...

e no entanto..isso deixa-me satisfeito?

nao.....as nossas necessidades de consolo sao sempre impossiveis de satisfazer...

sempre me questionei sobre o absurdo da vida...aqueles desgracados que sobreviveram a uma guerra para serem atropelados ao chegarem a casa....

aqueles pobres diabos que sofreram em campos de concentracao a fome e o frio..para morrerem ao comer a primeira refeicao livre...

aqueles milhoes de vidas destruidas..de homens que lutaram nas trincheiras da primeira guerra em nome do que lhes diziam ser a "guerra para terminar todas as guerras" e que depois....constituiram familia..para verem os seus filhos..vinte anos depois a morrerem pelo mesmo absurdo...

enfim...temos que ter consciencia que ao longo da historia humana nunca existiram periodos de paz prolongada....nos com a nossa idade...em qualquer outra epoca ja teriamos passado pelo trauma de uma guerra...

nao que a deseje...mas apenas que tenhamos consciencia do "aconchegados" que somos....

ja agora...nao querias dizer control x ?

nao conheco o control z....

talvez alt mais f 4 ?

eh eh eh

um abraco

Antonio said...

"nos com a nossa idade...em qualquer outra epoca ja teriamos passado pelo trauma de uma guerra...

nao que a deseje...mas apenas que tenhamos consciencia do "aconchegados" que somos...."

era exactamente esse o ponto que queria expressar!

E é isso mesmo: a insatisfação.

A angustia existêncial!

Deve ser por isso que somos tão....filosofos!

(triste...)

rsrsrs

Inha said...

O ser humano é um animal insatisfeito que não sabe dar o devido valor àquilo que tem. Quer sempre mais do que o que pode comer e vestir e gastar. Recebi nouto dia um e-mail que me pôs a pensar seriamente sobre isso e que terminava mais ou menos desta forma: "se estás a ler este mail fazes parte dos 5%(+/-)da população mundial a quem não falta nada..."
Nós que estamos aqui a conversar fazemos parte de uma "elite" de 5% da população mundial.

Os restantes 95% podem lembrar-se disso de repente.;)
O grave problema é que a responsabilidade disto é de 0.01% da população mundial: os poderosos detentores das armas e do grande capital.

É de tirar o sono a qualquer um!


BeijInha

Luis said...

tirar o sono ainda nao me tira....

e nao me faltar nada...bem....isso agora e muito subjectivo....

seja como for ando a ler um livro sobre voluntariado e ajuda aos paises em desenvolvimento...

um dia destes ainda tem noticias minhas do Laos ou da Bolivia....

eh eh eh


duas frases que me deram que pensar no book :

"se te queixas que es pequeno e que nao fazes diferenca nenhuma, tenta dormir com um mosquito" :-)

"os 3 homens mais ricos do mundo tem mais dinheiro que os 48 paises mais pobres"..esta eu ja sabia..e em termos de esquerdismo revolucionario universitario tb afixei cartazes com esta frase...sinceramente agora so me pergunto :e entao? deveriam era haver mais homens ricos...e ja agora os 3 mais ricos sao grandes empreendedores e com grandes ideias....nao me abala nem repugna nada isso...juntando o facto que alguns dos paises mais pobres nao deveriam sequer ser paises independentes se nao fossem pequenas manobras politicas de alguidar

um abraco

sonia said...

sejam quais forem os "SE"s... tudo está (sempre) certo!

Onde é que eu já ouvi isto? Ou terei lido? :)